Interrupção de chamada

Fabiana busca eficiência na produção industrial

Moradora de Pompéia, no interior paulista, Fabiana faz parte do time de 56 competidores brasileiros na WorldSkills  deste ano

Fabiana nasceu em Pompéia (SP)

Aos 14 anos, Fabiana Bonacina já queria ser independente. Por isso, entrou para o programa Jovem Aprendiz da indústria de implementos agrícolas Jacto S/A, em Pompéia, município a 400 quilômetros da capital paulista. Foi dentro da empresa que ela fez, em 2009, o curso de aprendizagem industrial em Mecânica de Usinagem do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) . Ainda adolescente, passava um turno na escola e o outro dentro da empresa, aprendendo a profissão. Ao final, foi convidada para treinar para a Olimpíada do Conhecimento.

Depois de conquistar a medalha de prata na etapa estadual de São Paulo, em 2013, e o ouro na nacional, em 2014, Fabiana está entre os melhores do mundo e disputará, junto com os colegas Alex Massayuki e Guilherme Attis Campanez, a medalha de ouro na ocupação Manufatura Integrada.  As provas dessa ocupação são feitas em conjunto por uma equipe de três pessoas.

Fabiana é uma das seis mulheres que integra o time de 56 competidores brasileiros na WorldSkills  deste ano. Na prova, o trio terá de projetar e produzir o protótipo de uma empilhadeira elétrica, acionada por controle remoto, com capacidade para levantar até 50 quilos. O trabalho começa com a elaboração do projeto no programa de computador CAD e completa-se com a construção mecânica e eletrônica do equipamento.

Na equipe, Fabiana é a responsável pelo trabalho de usinagem em CNC, isto é, por criar o corpo do equipamento. Ela também divide com Alex Massayuki e Guilherme Attis o desenvolvimento do projeto.  A avaliação da prova leva em conta aspectos como a velocidade em que a prova é finalizada, se o equipamento é mais leve e mais barato.

DECISÃO NA HORA CERTA - “Entre os três, eu me considero a mais organizada e detalhista. Costumo lembrar os outros tudo o que temos de fazer dentro do projeto”, afirma Fabiana.  Entre as 50 ocupações avaliadas na competição,em São Paulo, apenas cinco são realizadas por duplas ou trios. Para a competidora, o segredo de trabalhar bem em grupo é manter a tranquilidade e não tomar decisões na hora do estresse. “Depois, a gente se acalma e consegue chegar a uma solução melhor para o grupo”, explica.

Fabiana é a mais nova de uma família de três irmãs.  Ela treina para a competição em uma escola do SENAI perto de sua casa, em Pompéia. Atualmente, ela se divide entre os treinamentos das 7h30 às 17h e as aulas do quarto ano de Engenharia de Produção no período noturno. “Eu não pensava em fazer Engenharia. Com o trabalho, eu fui conhecendo a área, gostando e decidi ficar”, revela. Depois de formada, no ano que vem, pensa em atuar nas áreas de qualidade ou métodos de produção. “Minha profissão é bastante transversal e não apenas na indústria. Eu posso trabalhar onde existe processo, num hospital por exemplo. Meu trabalho é o de aplicar métodos para melhorar a eficiência da produção”, detalha.

Desde que começou na aprendizagem industrial, já são quase sete de seus 21 anos dedicados a se qualificar para trabalhar. “Com a experiência da Olimpíada, eu me tornei uma pessoa mais confiante. Sei que sou capaz de conseguir meus objetivos. E com as medalhas, tenho reconhecimento da minha família, da escola e dos meus parceiros”, conta Fabiana. De acordo com ela, a escolha por começar a trabalhar tão cedo não foi a mais fácil. “Muitas vezes, eu ia trabalhar e minhas amigas ficavam a tarde toda passeando. Mas hoje eu sei que tenho mais conhecimento e estou melhor profissionalmente que a maioria das pessoas da minha idade”, avalia.

A WORLDSKILLS - O Brasil será representado por 56 jovens profissionais técnicos na 43ª edição da WorldSkills Competition, que será realizada em São Paulo de 11 a 16 de agosto. Essa é a maior delegação já reunida pelo país para a competição. Na WorldSkills, os 1.200 competidores, todos com menos de 22 anos de idade, de 62 países, disputam medalhas em 50 profissões da indústria e do setor de serviços.

Ao longo de quatro dias de provas, eles precisam alcançar índices de excelência ao executar tarefas semelhantes às que realizariam em situações reais do dia a dia das indústrias ou no setor de serviços. Todos são avaliados pelas habilidades técnicas e pessoais.

SAIBA MAIS - Saiba tudo sobre a WorldSkills São Paulo 2015. Acesse o site da disputa . Para conhecer os outros competidores brasileiros, acesse o site da Olimpíada do Conhecimento/WorldSkills, do SENAI .

 

Relacionadas

Leia mais

Guilherme deixou o futebol para seguir carreira na indústria
Alex aprendeu a gostar de motores e sistemas elétricos na oficina do pai
Leonardo descobriu uma nova profissão e agora planeja montar a própria joalheria

Comentários

Interrupção de chamada Mapa do site