Interrupção de chamada

Andeson se qualifica para formar garçons competentes

Foram seis meses de aulas teóricas e práticas para Andeson se encantar com o que fazia

Andeson é de Salvador

Quando terminou o ensino médio, Andeson de Almeida precisava trabalhar. Conseguiu um emprego como estoquista de um supermercado em Salvador, sua cidade natal. Pouco tempo depois, talvez pela habilidade para lidar com o público, recebeu uma proposta para ser atendente de um restaurante no aeroporto da capital baiana, e logo passou a atuar também como garçom. Nessa época, Andeson ainda não tinha formação profissional. Incentivado pelos colegas de restaurante, em 2012, decidiu fazer um curso de qualificação no Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac).

Foram seis meses de aulas teóricas e práticas, um tempo suficiente para Andeson se encantar com o que fazia. “Garçom não é simplesmente aquele profissional que leva e traz a bandeja. Temos várias técnicas para servir. Podemos nos especializar em identificação de bebidas, serviço fino ou casual, entre outros”, explica, empolgado, o jovem.

No primeiro emprego, Andeson conseguiu conquistar a independência financeira. “Eu saí de casa e fui morar sozinho em Salvador, amadureci muito e passei a ter mais responsabilidade e disciplina”, afirma. As aulas no Senac deram a ele essa consciência. A dedicação à nova paixão, ainda durante o curso, renderam um convite para as seletivas da Olimpíada do Conhecimento. Havia outros 12 alunos disputando a vaga na mesma escola, mas ele foi o escolhido. Nesse momento, decidiu que era hora de abdicar do emprego e focar nos treinamentos.

A primeira medalha de ouro veio na edição 2014 da WorldSkills Américas, realizada em Bogotá, em abril do ano passado. Desde então, o ritmo de treinamentos na mesma escola onde fez o curso foi intensificado. Sobre os planos para depois das provas em agosto, ele afirma que deve voltar para o Senac e treinar novos competidores.

Na visão de Andeson, é raro encontrar garçons bem qualificados no Brasil. Para mudar isso, acredita ele, é necessário esforços das empresas e dos próprios garçons. “Eu tenho vontade de motivar os trabalhadores a entrarem em outro patamar de qualificação”, revela. Um bom garçom, explica, conhece de dobras de guardanapos, corte de frutas, flambagem de alimentos. Pode ainda se especializar em preparação de cafés. Se todos os profissionais passarem pela formação, como Andeson recomenda, os serviços em bares e restaurantes no Brasil certamente terão outro padrão de qualidade.

A WORLDSKILLS - O Brasil será representado por 56 jovens profissionais técnicos na 43ª edição da WorldSkills Competition, que será realizada em São Paulo de 11 a 16 de agosto. Essa é a maior delegação já reunida pelo país para a competição. Na WorldSkills, os 1.200 competidores, todos com menos de 22 anos de idade, de 62 países, disputam medalhas em 50 profissões da indústria e do setor de serviços.

Ao longo de quatro dias de provas, eles precisam alcançar índices de excelência ao executar tarefas semelhantes às que realizariam em situações reais do dia a dia das indústrias ou no setor de serviços. Todos são avaliados pelas habilidades técnicas e pessoais.

SAIBA MAIS - Saiba tudo sobre a WorldSkills São Paulo 2015. Acesse o site do mundial. Para conhecer os outros competidores brasileiros, acesse o site da Olimpíada do Conhecimento/WorldSkills, do SENAI.

Relacionadas

Leia mais

Ampliação da importação temporária beneficiará comércio exterior brasileiro, afirma CNI
CNI e MDIC assinam acordo para inserir pequenas e médias empresas no comércio exterior
Empresários e representantes dos governos de Brasil e Japão discutem comércio e investimentos em Curitiba

Comentários

Interrupção de chamada Mapa do site