Interrupção de chamada

Indústria têxtil e do vestuário de MS projeta crescimento de 3% para 2014

Segundo presidente de sindicato do setor, empresários do segmento vêm buscando novos conceitos em produtos, agregando valor e reduzindo custos para se tornarem competitivos

A indústria têxtil e do vestuário de Mato Grosso do Sul fechou o ano de 2013 com um faturamento de R$ 1,57 bilhão, conforme a estimativa do Radar Industrial da Fiems, e estima para este ano de 2014 um crescimento de 3% sobre o montante, movimentando R$ 1,61 bilhão. Segundo o presidente do Sindivest/MS (Sindicato Intermunicipal das Indústrias do Vestuário, Tecelagem e Fiação de Mato Grosso do Sul), José Francisco Veloso, para conseguir esse avanço, os empresários do segmento vêm buscando alternativas como novos conceitos em produtos, agregando valor e reduzindo custos para se tornarem competitivos.

José Francisco Veloso destaca que mesmo considerando grandes eventos como Copa do Mundo e eleições para presidente da República, senador, governador, deputados federais e deputados estaduais, o mercado de consumo não ficará muito diferente de 2013. "O setor anseia pela implementação do RTCC (Regime Tributário Competitivo para Confecção) para que o Brasil possa entrar em uma fase de investimentos mais consistente", afirmou, acrescentando que essa é uma alternativa demandada pelas empresas do vestuário e que a Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção) tomou frente para que o segmento tenha preço mais competitivo.

Nesse sentido, o Sindivest/MS tem atuado, em conjunto com o Sistema Fiems e empresários, para articular ações de interesse da indústria têxtil e do vestuário, como a manutenção de incentivos fiscais até 2028 com a redução do ICMS para indústrias de confecção por meio do Decreto nº 13.715, de 19/08/2013. Ele destacou ainda o apoio nas áreas de treinamento e qualificação com o Senai. "Tivemos inúmeros cursos de costura industrial, levando qualificação aos bairros da Capital, além da sala de aula móvel instalada na Associação de Moradores da Vila Cidade Morena, proporcionando a melhoria da qualidade de vida da população e atendendo a demanda industrial", declarou.

Sobre outras ações desenvolvidas pelo Sindicato e que devem ter continuidade neste ano, ele destacou os projetos e palestras técnicas, feiras, eventos e negociação salarial com assessoria jurídica. Além disso, o setor passa a contar com o novo CTV (Centro Tecnológico do Vestuário), com a disponibilização de novos serviços, treinamentos e consultorias, agregando mais facilidade e qualidade. Atualmente, o Estado conta com 381 estabelecimentos, que empregam 9.246 trabalhadores.

Relacionadas

Leia mais

VÍDEO: Canal Futura mostra inovação que gera empregos na indústria têxtil
CNI vai ao Supremo contra a incidência do ISS sobre insumos da indústria têxtil
Cursos do SENAI CETIQT são reformulados para atender novas demandas da indústria têxtil e química

Comentários

Interrupção de chamada Mapa do site